ANOMT - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE OPERADORES MARÍTIMO TURÍSTICOS: Objectivo servir a actividades marítimo turística, assegurando a defesa dos seus associados, celebrar contractos, acordos, promover o desenvolvimento empresarial e tecnológico.
Sábado, 11 de Maio de 2013
OPERADORES MARÍTIMO-TURÍSTICOS EM RISCO DE FALÊNCIA.

 

OPERADORES MARÍTIMO-TURÍSTICOS EM RISCO DE FALÊNCIA.

 

 

A ANOMT “Associação Nacional de Operadores Marítimo Turísticos”, apurou junto de operadores MT, “Marítimo-Turísticos” que operam na área dos portos de Setúbal, Sesimbra, Lisboa, Cascais, Ericeira e Peniche, que relativo ao ano de 2012, foram registadas enormes quebras na facturação, em alguns casos chegam a rondar os 60%.

 

Em todos os portos referidos foram registadas falências e desistências da actividade, sendo que as maiores quebras de facturação se registaram na área do Porto de Cascais cerca de 60% e as menores na área do Porto de Lisboa, mesmo assim rondando os 30%.

 

Em todas as áreas de operação, para além da recessão económica, um dos factores que mais contribui para as quebras de facturação e consequente falência de Micro e Pequenas Empresas MT, são os custos de operação, (aluguer de postos de acostagens, combustíveis de preços elevados, parques de estacionamento pagos). Na área do Porto de Cascais onde se registam as maiores quebras de facturação, apesar da boa qualidade das infraestruturas náuticas, devida á existência da Marina de Cascais, os custos de operação são os mais elevados que registamos, tendo como exemplo a diferença de preços de acostagem entre Lisboa e Cascais que chega a ser 5, (cinco), vezes mais elevada em Cascais.

 

A ANOMT registou também que muitos dos grandes eventos que se têm realizado nas áreas dos portos que referimos, principalmente Lisboa e Cascais, não têm tido em conta a obrigatoriedade da utilização de embarcações de apoio devidamente licenciadas, o que também contribui para aumentar as quebras de facturação registadas.

 

Não podemos deixar de referir que a proliferação de embarcações não licenciadas que operam indevidamente e clandestinamente em todos os portos que referimos, são também um factor preocupante. Embora a ANOMT registe como boa a actuação das autoridades, nomeadamente da Policia Marítima, tem sido difícil acabar com este flagelo económico.

 

Tendo em conta que o destino turístico Portugal tem uma componente náutica de elevado valor no que toca a lazer, desporto e ambiente, considerado de grande relevância económica para Portugal no “Plano Estratégico Nacional do Turismo - Horizonte 2013-2015”, a ANOMT está a preparar uma serie de reuniões com várias entidades com responsabilidades no Turismo Náutico, nomeadamente Turismo de Portugal, Câmaras Municipais, Entidades Portuárias e Marinas de forma a tentar minorar a grave crise económica que afecta os Micro e Pequenos Empresários Marítimo-Turísticos.

 

Pela ANOMT

António Lemos - Presidente da Direcção

Walter Canelas - Vice-presidente

Domingos Carvalho - Tesouraria 

 

Contactos: Tlm: 969734133 – E-mail: anomt@sapo.pt



publicado por Antonio Lemos às 18:44
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 10 de Maio de 2013
PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO: horizonte 2013-2015

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO: horizonte 2013-2015

 

A ANOMT destaca:

 

“g) DESENVOLVER O TURISMO NÁUTICO nos segmentos da náutica de recreio e do surfing, qualificando as infraestruturas para responder a uma procura crescente e dinamizando as atividades conexas.

O turismo náutico, muito suscetível às oscilações económicas, estagnou, sobretudo ao  nível da náutica de recreio. Registou um crescimento anual de 0,5% nos últimos 5  anos, valor inferior aos 9% verificados entre 2000 e 2005, estimando-se um  crescimento futuro de 3% a 4% ao ano.

Os principais mercados emissores de turismo náutico a nível europeu são a Alemanha,

Escandinávia, Reino Unido, Holanda, França, Rússia, Itália e Áustria (84% do mercado europeu).

Sendo Espanha, França, Reino Unido e Irlanda os principais destinos concorrentes de Portugal foram identificados os seguintes fatores de competitividade de Portugal para este produto:

I) Linha de costa com especial interesse, em função da diversidade e valor  natural, paisagístico e cultural;

II) Marinas e portos de recreio de qualidade, em particular no Algarve;

III) Ericeira, enquanto 2.ª reserva mundial de surf;

IV) Peniche, palco de um dos mais importantes eventos de surf do mundo;

IV) Nazaré, com record mundial de ondas grandes (tow-in);

V) O Guincho, com excelente conjunto de vento e ondas para a prática do kitesurf;

VI) A baía de Cascais e a de Lagos, com uns dos melhores campos de regata do mundo;

VII) Condições naturais para a prática de mergulho nos Açores.”

 

http://www.turismodeportugal.pt/Portugu%C3%AAs/turismodeportugal/publicacoes/Documents/PENT%202012.pdf

 

Publicado por: António Lemos (presidente da direcção)



publicado por Antonio Lemos às 12:40
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 1 de Maio de 2013
ANOMT, INFORMAÇÃO

A ANOMT solicitou uma reunião de urgência, com a Administração Marcascais S.A. Concessionaria da Marina de Cascais de forma a esclarecer cartas enviadas aos operadores associados, detentores de postos de acostagem em regime de Cedências Temporárias.


Pela direcção

António Lemos



publicado por Antonio Lemos às 19:48
link do post | comentar | favorito

Sobre a ANOMT
pesquisar
 
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

A ACTIVIDADE MARÍTIMO TUR...

Estratégia Nacional para ...

Cascais Marítimo Turístic...

Capitania On-Line - AMN

Nova portaria para a pesc...

Corpos Sociais da ANOMT e...

Assembleia Geral extraord...

Comunicado ANOMT

Reunião no Ministério da ...

DAS PALAVRAS AOS ACTOS.

arquivos

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds